segunda-feira, 5 de novembro de 2012

CIÊNCIA & TECNOLOGIA - A FILATELIA DEMARCANDO A HISTÓRIA

Um dos maiores reconhecimentos que podemos ter, é descobrir que uma boa parte do nosso trabalho é utilizada em sala de aula como apoio didático. Recordo há cerca de uma década e meia, ter recebido duas cartinhas oriundas de diferentes pontos do interior do Paraná. Nelas, duas professoras expressavam agradecimentos pela existência da minha coluna filatélica e naquelas linhas, contavam que em suas aulas utilizavam as páginas para incentivar as crianças a colecionarem selos e, ao mesmo tempo, utilizavam os selos e os artigos como forma de reforçar e até de facilitar o aprendizado. Pouco tempo depois, passei a receber cartinhas de diversos alunos, pedindo selos para colecionar, já que em suas cidades não existiam casas filatélicas. 
E assim, por diversas vezes, graças a ajuda do Professor Cael, da Filatélica Olho de Boi, pude remeter diversos selos aquelas crianças com sede de aprender e de também colecionar selos postais.
Da mesma maneira, recordo ter escrito pouco tempo depois, alguns artigos voltados para a necessidade de que o selo postal adentrasse as salas de aulas, já que na época, através de minhas pesquisas, havia descoberto que em diversos países a prática já era muito comum. Também acabei descobrindo que os Correios já davam seus primeiros passos num programa parecido com alguns do exterior e aquilo tudo me deixou muito feliz, primeiro porque a filatelia dava mostras de que, mesmo diante da tecnologia, seguiria seu fluxo normal e depois, porque finalmente, os selos, aqueles fragmentos coloridos, poderiam cumprir mais um primordial papel no que tange à educação e a cultura. 
JORNADAS E MUDANÇAS 
Desde a primeira vez em que me aventurei a escrever sobre filatelia, lá pelos idos de 1979 até hoje, as aventuras em torno desses escritos foram tantas que me permito às vezes divagar sobre aqueles passos que, em princípio, mais pareciam simples informações sobre lançamentos de selos, mas que se tornaria em um verdadeiro livro de matérias, informações, ilustrações e verdadeiras manobras para superar uma série de obstáculos e dificuldades. 
Não havia naquele tempo as facilidades que a Internet nos proporciona hoje e assim, muitas emissões filatélicas do exterior só chegavam por aqui com pelo menos três meses de atraso e era uma maratona de trabalho e gastos para se manter as correspondências com as administrações postais. Depois, compromisso assumido tinha que ser compromisso cumprido e não foram poucas às vezes em que levei o release e as fotos da minha coluna até a redação do jornal, a pé ou de bicicleta, porque muitas vezes, faltava o dinheiro para a passagem do ônibus. Fizesse sol escaldante ou chuva torrencial, toda quarta-feira o material tinha que estar nas mãos do editor e apesar de todo esse trabalhão e dificuldades, posso seguramente afirmar que valeu muito a pena. Tanto pelo prazer de informar quanto pelo prazer de aprender através dos selos, que me obrigaram a buscar um pouco de aprimoramento no inglês, no francês, no espanhol e no italiano também. Como se observa, o selo tem certa magia, uma força que nos empurra em busca de conhecimentos, de aprimoramentos que nos permitem seguir adiante e avançar com o tempo e suas mudanças, tão constantes e absurdamente rápidas. 
CIÊNCIA E TECNOLOGIA 
Essa rapidez no desenvolvimento da humanidade deve-se aos esforços de cientistas de diferentes épocas na nossa história e que, através de seus estudos e pesquisas, contribuíram para as tantas facilidades que chegaram ao século 21 de uma maneira esplendorosa. 
Isso tudo diz respeito também as mais diferentes áreas do conhecimento que nas últimas cinco décadas tiveram avanços inimagináveis e que proporcionaram aditivos fundamentais em tudo o que diz respeito à medicina, a aeronáutica, à navegação, a exploração de petróleo e outros minérios, a agricultura e a pecuária e também ao que abrange toda a preocupação com a ecologia entre outras áreas que de alguma maneira se interligam nessa caminhada do homem rumo ao futuro. A expansão dos sistemas de telecomunicações através do uso de satélites vem proporcionando uma proximidade cada vez maior entre os povos na chamada “aldeia global”, onde se é possível conhecer mais profundamente os usos, costumes e a cultura de outros povos, podendo-se, graças aos computadores e seus avançados programas, se comunicar com outras pessoas, de línguas diferentes, usando-se os mais avançados tradutores. 
Se há mais de quinhentos anos, cientistas de então sonhavam com muitas das invenções que chegariam bem mais tarde, imaginemos os cientistas de hoje, que a cada dia embrenham-se em estudos e pesquisas visando ampliar os avanços da medicina permitindo, assim, que o homem possa ter mais longevidade; ou então, esmiuçar ainda mais o espaço infinito com poderosas lentes ou com sondas cada vez mais avançadas, na busca por outros planetas, mais precisamente um planeta que seja idêntico à Terra, que tenha condições de permitir vida. Evidente que isso tudo, esse complexo avanço que a todos facilita também nos cria expectativas preocupantes, seja pela superpopulação mundial e a necessidade de mais alimentos, como também, pelo terrível avanço dos conflitos armados, com armas cada vez mais avançadas e com poder de destruição de massa inimaginável para nós, simples cidadãos. 
A FILATELIA EM MEIO À CIENCIA 
 Se a gente passar a observar os selos postais, iremos descobrir que dentro do processo de emissões filatélicas, em todo o mundo, grande maioria desses selos diz respeito sim à Ciência e a Tecnologia e é partindo desse porto que podemos seguir uma viagem com grandes desafios, seja pela busca de peças raras ou pelas inúmeras pesquisas que se há de fazer para se poder formar um roteiro e procurar interligar apenas algumas partes desse complexo sistema que há séculos vem produzindo conhecimentos novos e dinamizando o progresso do mundo. 
Seria muita prepotência estabelecer aqui e agora um caminho a seguir, embora o melhor a fazer, é regressar no tempo e ir buscar referências cientificas com nomes que marcaram a história como, por exemplo, Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Albert Einstein entre outros. Acredito eu que essa dica possa, de alguma maneira abrir as cortinas para que o colecionador possa observar o horizonte a seguir e assim, estabelecer o seu roteiro e depois ir em busca das peças de que irá precisar para formar sua coleção e, diga-se de passagem, uma bela e vistosa coleção, já que dentro desse contexto, os selos emitidos nas últimas décadas, são realmente verdadeiras obras de arte. 
Agora, caso seja um desafio muito grande, e pode ser inclusive caro, você pode optar pela a escolha de um tema específico, como matemática, física, química, informática, aeronáutica, astronáutica entre outros. 
De toda maneira, irá observar que cada campo da ciência, por razões óbvias, se interliga e não raro determinadas peças do que seria uma outra temática, poderão ser inseridas no seu tema, dada é claro, a devida relevância ao invento, ao inventor ou cientista que dedicou sua vida para que aquele avanço fosse possível na nossa cotidiana realidade. Selecionei para ilustrar esta nossa “conversa filatélica”, alguns selos que achei interessante, seja pelo tema como também pela qualidade artística e importância filatélica. Espero, mais uma vez, estar podendo contribuir de alguma maneira para com os filatelistas, principalmente os novos e reitero o meu pedido de vários anos, para que os professores levem para a sala de aula os selos postais como forma de dinamizar o ensino, independentemente se o aluno irá ou não colecionar. 
O importante é marcar aquele momento com o uso do selo postal que com toda certeza ficará marcado na mente do aluno para toda a sua vida, podendo inclusive, alguns, virem a colecionar mais tarde. É tudo uma questão de tempo!
 Da mesma maneira, vale pedir aos pais que observem com carinho a importância do selo postal e que o levem para dentro de casa, na forma de um presentinho que pode se tornar de grande importância, já que a cada dia que passa, infelizmente, temos visto partir muitos dos mais renomados filatelistas e o triste, é que seus herdeiros acabam deixando, muitas vezes, magníficas coleções, formadas ao longo de décadas à mercê das traças e do mofo. 
Precisamos com urgência incentivar cada vez mais o colecionismo de selos postais e fazer de tudo para que seja possível, caminhar com a filatelia, lado a lado com os avanços da tecnologia que, se por um lado são excepcionais para a praticidade da vida moderna, por outro, estão tirando, principalmente das crianças e dos jovens, a oportunidade de uma leitura sadia e de um passatempo que, na medida em que os anos avançam, só permite ao jovem filatelista que amplie seus conhecimentos e que, através de destes, aliando a tudo o que a tecnologia lhe dispõe, possa alcançar de fato e de direito, uma posição vantajosa na área profissional que vier a escolher e atuar.

3 comentários:

POSTMAIL disse...

Matérias de interesse geral e que todo filatelista deve aprender para conhecer o universo dos selos e suas histórias.Parabens

POSTMAIL disse...

Sempre estou acompanhando o trabalho magnifico de quem se preocupa com a cultura, neste caso do Jornalista Sr.Pedro

Sissym disse...

Querido amigo, SEMPRE sinto saudades de voce e sou muito grata por existir magicamente na minha vida.

Beijos de quem lhe quer todo o bem.

Sissym